Sete dias por semana sem medo da notícia!
Polícia paulista já sabe quem mandou matar prefeito de Ribeirão Bonito que será preso
O prefeito de Ribeirão Bonito (SP), Francisco José Campaner (PSDB), conhecido como Chiquinho Campaner — Foto: Reprodução/EPTV
Ouça a matéria

O empresário suspeito de envolvimento no assassinato do prefeito de Ribeirão Bonito (SP), Chiquinho Campaner, se entregou à Polícia Civil na noite desta sexta-feira (3), em Limeira.

O homem, que não teve a identidade divulgada, ligou para a polícia e informou sua localização para se entregar, segundo o delegado Reinaldo Lopes Machado.

O suspeito foi levado por policiais de Ribeirão Bonito para a Delegacia Seccional de São Carlos. Ele deve ficar no Centro de Triagem e vai prestar depoimento na segunda-feira (6). Ainda não há informações sobre a defesa dele.

O motivo do crime seria o cancelamento de um contrato de transporte escolar e a falta de pagamento de serviços prestados à prefeitura, segundo a Polícia Civil.

Campaner foi assassinado com quatro tiros no dia 26 de dezembro do ano passado. O chefe de gabinete e um amigo também foram baleados e já receberam alta.

Vigilante preso

O vigilante Cícero Alves Peixoto, também suspeito de participar do crime, foi preso na noite de quinta-feira (2) em São Paulo e confessou o crime. Segundo o delegado do Geraldo Souza Filho, ele deu detalhes de como aconteceu o assassinato.

Peixoto já tem passagens pela polícia por outros dois homicídios. A advogada de defesa dele, Fabiana Luchesi, afirmou à CBN São Carlos que ele admitiu ser coautor do crime, mas não foi o responsável pela execução.

“Está disposto a colaborar com as investigações, com a Justiça, e acabou declarando toda a participação dele nesse crime”, disse.

O carro usado por ele no dia do crime, um Honda Fit preto, foi apreendido. De acordo com a polícia, o veículo era emprestado de um amigo.

Contrato cancelado

Em coletiva de imprensa durante a tarde desta sexta-feira (3), em São Carlos, a polícia disse que a motivação do crime foi o cancelamento do contrato referente ao serviço de transporte fornecido pelo empresário.

Inconformado, o empresário teria planejado a emboscada que terminou com a morte do chefe do Executivo.

De acordo com a polícia, Peixoto esteve algumas vezes em Ribeirão Bonito para “conhecer o terreno”. Ele teria recebido dinheiro do empresário, mas o valor não foi divulgado. A polícia também não divulgou qual a participação de cada um no crime.

O crime

Chiquinho Campaner foi morto em uma estrada de terra na zona rural, na entrada do município. Os tiros atingiram a cabeça, o peito e o corpo do prefeito que morreu no local.

No ataque, o chefe de gabinete, Edmo Gonçalo Marchetti e Ary Santa Rosa também foram baleados. Os dois tiveram ferimentos, foram levados para o hospital e já tiveram alta.

O lavrador Claudinei Bonani foi o primeiro a chegar ao local do crime e ligou para a polícia. “Vi o prefeito caído, juntamente com o Edmo [chefe de gabinete], pedindo socorro”.

Segundo a Polícia Civil, o prefeito não tinha registrado boletim de ocorrência relatando algum tipo de ameaça.

Campaner estava no primeiro mandato como prefeito, após ter sido vereador em Ribeirão Bonito.

Com informações G1.

Publicidade
Mais Lidas
Leia Também