sete dias sem medo da notícia
Banho de sangue
Pandemia da bala: Ceará ultrapassa marca de 4 mil assassinatos em 2020
A greve de PMs e a pandemia, aliadas à guerra de facções, geraram a alta da violência
A matança desenfreada no Ceará é agravada pela verdadeira guerrilha urbana produzida pela guerra de facções
Por : Fernando Ribeiro
21/12/20 9:38

O Ceará ultrapassou neste fim de semana a marca trágica de 4 mil assassinatos em 2020. O número já representa um aumento da ordem de 66,9 por cento se comparado aos 12 meses de 2019, faltando, ainda, 10 dias para o fim de ano.

Os Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs) neste ano em todo o estado do Ceará tiveram como principais fatores dois grandes acontecimentos: o primeiro, a matança registrada no mês de fevereiro, com a deflagração da greve dos policiais militares. No período em que os PMs permaneceram de braços cruzados, mais de 400 pessoas foram mortas no estado, números que refletiram  dentro da estatística geral dos CVLIs em 2020.

O segundo fator veio com a eclosão da pandemia do novo Covid-19 no estado e  o isolamento social como medida para reduzir os impactos do contágio coletivo. Mesmo com as ruas vazias, os criminosos não pararam de matar na guerra estabelecida entre as facções.

Durante o período entre março (início da pandemia) e agosto (com a retomada das atividades da economia) o Ceará registrou, nada menos, que 2.078 assassinatos em cinco meses, representando quase a metade do total de assassinatos no ano.

De acordo com os registros da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, em 11 meses deste ano o estado apresentou um total de 3.864 assassinatos, sendo 3.720 CVLIs, 143 mortes por intervenção policial e um homicídio em unidade do Sistema Penitenciário.  Em 2019, a totalização chegou a 2.396 (com 2.257 CVLIs, 136 mortes por intervenção da Polícia e três óbitos por homicídios no Sistema Penal).

A guerra e seus mortos

Os dois fatores citados (greve e pandemia) se juntaram à guerrilha urbana travada diariamente na Grande Fortaleza na guerra das facções, gerando um desafio grande para as autoridades da Segurança Pública para 2021. Com centenas de vidas perdidas neste ano, o Ceará ainda registrou duas chacinas.

A primeira, ocorrida no dia 18 de outubro, deixou cinco mortos em Quiterianópolis (a 397Km de Fortaleza). E a segunda, na madrugada de 26 de novembro, quando sete pessoas foram executadas sumariamente (entre elas, um menino de apenas 6 anos de idade), na zona rural do Município de Ibaretama (a 130Km da Capital).

LINKS PATROCINADOS