Sete dias por semana sem medo da notícia!
Morte de empresário no Cariri completa um ano e meio sem solução e assassinos impunes
Morto por pistoleiros, Francisco Pereira travava uma batalha judicial com a Igreja
Na manhã do dia 14 de julho de 2018, o empresário foi morto por pistoleiros em sua caminhonete, no Anel Viário, entre Juazeiro do Norte e Crato
Ouça a matéria

Crimes de pistolagem desafiam a Segurança Pública do Ceará. Assassinatos que estão sem reposta há meses e anos por parte das autoridades policiais, da Justiça e do Ministério Público caíram na vala da impunidade. Um exemplo disso foi a morte do empresário Francisco Pereira da Silva, assassinado há um ano e seis meses na cidade de Juazeiro do Norte. Enquanto a Polícia silencia sobre as investigações, a família e os amigos da vítima clamam por justiça.

Era a amanhã do dia 14 de julho de 2018, quando a Polícia foi mobilizada para ir até o Anel Viário que liga Juazeiro do Norte ao vizinho Município do Crato. Dentro de sua caminhonete importada, uma Land Rover, o empresário Francisco Pereira estava morto com vários tiros disparados por matadores de aluguel.

De acordo com os levantamentos feitos na época pela Perícia Forense (Pefoce), Francisco foi baleado quando dirigia a caminhoneta. Baleado, perdeu o controle da direção ao tentar fugir daquela situação. O veículo desceu um barranco no acostamento e foi parar a cerca de 50 metros do ponto onde ocorreram os disparos.

Mesmo com uma sequência de pistas encontradas, depoimentos, e várias linhas de investigação apuradas, a Polícia Civil de Juazeiro do Norte, através do Núcleo de Homicídios e Proteção à Pessoa (NHPP), da Delegacia Regional local, não elucidou até hoje o assassinato do empresário.  Para a família e os amigos de Francisco, a falta de resposta da Polícia e da Justiça representa uma frustração e a certeza da impunidade dos mandantes do crime.

Um dos suspeitos de participação direta no crime, isto é, um dos pistoleiros que fuzilaram o empresário, acabou morto depois, numa suposta queima de arquivo.

Na época em que foi assassinado, Francisco era dono da empresa FP Construções e Empreendimentos Imobiliários, empresa  bastante conhecida e prestigiada na Região do Cariri.  O empresário travava uma batalha judicial com a Diocese do Crato desde 2011, por conta da disputa de um terreno  localizado próximo ao limite de Juazeiro e Crato.

As terras em questão na Justiça seriam, originariamente, pertencentes  ao Padre Cícero Romão Batista, um ícone da religiosidade caririense. A Igreja alegava, na época, que o padre Murilo de Sá Barreto, falecido em 2005, havia vendido, no final de 1990, parte das terras do “Padim Ciço” à imobiliária, pelo valor, na época de aproximadamente R$ 200 mil.  A outra parte restante do imóvel  deveria continuar de posse da Diocese.

Briga por terra?

Ainda nesta polêmica, o empresário havia provado na Justiça que, em 2020, uma procuração assinada pelo Padre Murilo, lhe dera plenos poderes para vender as terras em litígio judicial.

A pista principal dentro das investigações mostrou que estava briga judicial entre a Igreja e o empresário seria a principal linha do inquérito para a identificação dos mandantes ou mandante  do assassinato.  A quebra de sigilo telefônico de suspeitos teria sido autorizada pela Justiça, mas o caso corre estaria sob segredo judicial.

Com o silencio da Polícia e a falta de resposta para a família do empresário, os assassinos                 continuam em plena liberdade e gozando da impunidade.

Publicidade
Mais Lidas
Leia Também