Sete dias por semana sem medo da notícia!
Saúde mental é o tema discutido no Janeiro Branco, Brasil apresenta índices alarmantes
Ouça a matéria

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil vive surtos de depressão e ansiedade. Nos últimos dez anos, o número de pessoas com depressão aumentou em 18,4%. Mais de 300 milhões sofrem com a depressão, o que corresponde a cerca de 4% da população da Terra. Os índices alarmantes alertam para a importância de se falar sobre o assunto. Para isso, existe o Janeiro Branco. O tema explanado neste mês é justamente sobre os cuidados que se deve ter com a saúde mental, e a campanha busca fortalecer ações de esclarecimento sobre a problemática.

Pedro Possidonio, psicólogo do Hapvida, orienta que é fundamental discutir o tema, devido, principalmente, ao fato de ainda existir muita falta de informação e preconceito em torno do assunto. “É preciso quebrar uma série de preconceitos como o de que quem toma remédio vai depender deles para o resto da vida, que depressão e ansiedade são frescura ou são falta de Deus ou até mesmo falta de força de vontade de sair dos próprios problemas. Ter transtorno de ansiedade ou ter depressão são situações que podem ocorrer com qualquer pessoa, são quadros clínicos exatamente como diabetes ou hipertensão e exigem tratamento adequado junto com um psicólogo e psiquiatra”, disse.

Ele explica que, no Janeiro Branco, os profissionais procuram propagar a mensagem da importância de se buscar cuidar da saúde mental e conscientizar a todos sobre os benefícios de manter a mente sã, com a vida em equilíbrio, e, por isso, a necessidade da quebra de tabus. “Ainda que seja normal termos momentos altos e baixos ao longo da vida, quando nos sentimos mal por um longo tempo e temos dificuldade de lidar com nossos sentimentos e impressões negativas, é chegada a hora de buscar ajuda profissional. Principalmente quando sentimos uma vontade de chorar incessante, vontade de se isolar, pensamentos acelerados ou negativos que não nos dão trégua, coração acelerado, palpitações ou falta de ar, tremores, tontura, dores de cabeça muito fortes, tristeza fora do comum e até mesmo forte angústia ou crises de ansiedade”, relata. 

Publicidade
Mais Lidas
Leia Também