Sete dias por semana sem medo da notícia!
Identificado em Tocantins o quinto “Pipoca” morto em troca de tiros com a PM
Seis bandidos cearenses foram mortos. Os dois últimos ainda estão no IML de Palmas
José Williame Barros era natural de Quixadá e foi o quinto da quadrilha identificado

A Secretaria da Segurança Pública do Estado de Tocantins identificou oficialmente neste fim de semana o quinto bandido morto em confronto com a PM na região central do estado. Trata-se de mais um integrante da “Quadrilha dos Pipocas”, que tombou em confronto com policiais militares em duas semanas de caça aos criminosos. Resta apenas mais um bandido cearense  morto a ser identificado pelas autoridades daquele estado.

De acordo com a Polícia do Tocantins, os dois últimos integrantes dos “Pipocas” foram mortos num confronto com a PM em um matagal às margens da rodovia estadual TO-242, que liga os Municípios de Araguacema e Goianorte (a 289Km de Palmas, Capital).

Um dos bandidos mortos no último confronto do bando com a PM naquele estado foi identificado no IML de Palmas como sendo do cearense José Willame Reinaldo Barros, 33 anos, natural Quixadá (a 154Km de Fortaleza).

Outros quatro membros da mesma quadrilha também mortos foram  identificados como: Neuton Oliveira da Silva, o “Neuton Pipoca”; Neudo Oliveira da Silva, o “Neudo Pipoca” (apontado como sendo o chefe da  quandrilha); Ângelo Márcio Rodrigues e Paulo Sérgio de Oliveira.  Os quatro foram enterrados em Quixadá há uma semana.

Tiroteios e mortes

A quadrilha trocou tiros com a Polícia de Tocantins após explodir a agência do Banco do Brasil da cidade de Pequizeiro há cerca de duas semanas. Em seguida, tentou atacar um carro-forte na mesma região. A PM montou uma grande operação com cerca de 300 homens, dezenas de viaturas e dois helicópteros, no maior cerco a criminosos  já registrado no estado.  Ainda assim, a quadrilha de ladrões de bancos cearense matou um dos policiais envolvidos na ação, o sargento PM Gama, do Batalhão de Polícia de Choque.

Os seis assaltantes cearenses de Quixadá acabaram cercados e mortos durante um tiroteio com as forças policiais. Eles estavam armados com fuzis, submetralhadoras, pistolas, escopetas e uma grande quantidade de munições.

Publicidade
Mais Lidas
Leia Também