Hidrogenio verde e o combustivel do futuro
eusebio junino

Homem é preso após se passar por servidor federal para cometer crimes

Um mandado de prisão e dois de busca e apreensão foram cumpridos

Foto: Polícia Federal

07/05/24 10:05

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (07), a operação “NUNCA SERÁ”, com o objetivo de interromper um esquema criminoso responsável por acessos indevidos a sistemas governamentais e falsificação de identidade para obtenção de vantagens ilícitas. Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão e um de prisão preventiva expedidos pela 12ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado do Ceará. A investigação teve início após um policial federal ter sua conta na Plataforma GOV.BR invadida.

Siga o canal do CN7 no WhatsApp

Durante esses acessos, foram violados os diversos sistemas vinculados à citada plataforma do Governo Federal. Após análise dos dados fornecidos pela GOV.BR, os investigadores identificaram a autoria dos acessos indevidos, apontando um indivíduo residente num condomínio de luxo no Ceará como o responsável pelos crimes. O suspeito teria utilizado os dados pessoais do Policial Federal para cometer as invasões.

Inscreva-se no canal do CN7 no Telegram

Durante as investigações, descobriu-se que o investigado também se apresentava falsamente em seu condomínio com os dados qualificativos de um auditor da CGU. Além disso, há suspeitas que anteriormente o mesmo já havia utilizado os dados de outro servidor da CGU para realizar empréstimos, demonstrando um padrão de comportamento criminoso voltado para a obtenção de benefícios ilegais.

Agora, durante as buscas, preliminarmente já se verificou que o investigado tinha diversos documentos pelo menos de servidores da CGU, CVM e Ministério da Agricultura. Esse modus operandi evidencia a contumácia do suspeito em utilizar identidades falsas para obter vantagens indevidas. O investigado pode responder pelo cometimento, em tese, dos crimes de Invasão de dispositivo informático e uso de documento falso, com penas somadas de até 11 anos de prisão, sem prejuízo da descoberta de outros crimes mais graves praticados, a partir da análise do material digital apreendido. As investigações continuam, com análise do material apreendido.

A Polícia Federal reforça seu compromisso com a segurança cibernética e a proteção dos dados pessoais dos cidadãos brasileiros, combatendo ativamente crimes dessa natureza e garantindo a integridade dos sistemas governamentais.

LINKS PATROCINADOS