Sete dias por semana sem medo da notícia!
Força Nacional vai passar mais 90 dias no Ceará para desarticular as facções
Ministro Sérgio Moro atendeu ao pedido do governador Camilo Santana para a FNS atuar
Moro assinou portaria, autorizando a Força a ficar no Ceará por mais 90 dias

Uma portaria assinada nesta quarta-feira (5) pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou o emprego da Força Nacional de Segurança  no Ceará com o objetivo de conter a criminalidade e reduzir os homicídios.  O prazo é de 90 dias, podendo ser renovado. Moro atendeu a um pedido pessoal do governador Camilo Santana (PT).

O trabalho da FNS desta vez não será mais o ostensivo, de auxiliar a PM no patrulhamento das ruas, avenidas e terminais. Os membros da Força que aqui permanecerão,  vão atuar, sigilosamente e exclusivamente, em operações de apoio em investigações da Polícia Civil para o desmantelamento de organizações criminosas, especialmente as facções e quadrilhas que têm lideranças ainda nos presídios da Grande Fortaleza.

De acordo com o documento, o trabalho da Força Tarefa no Ceará, desta vez, será restrito a atuar “em caráter episódico e planejado”, compondo a Força-Tarefa de Polícia Judiciária para reduzir os assassinatos no estado.

Ainda de acordo com a portaria – de número 573, de 5 de junho de 2019 – o contingente a ser disponibilizado obedecerá ao planejamento  definido pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Facções e mortes

Ainda de acordo com o Ministério, o prazo para o apoio da Força Nacional poderá ser prorrogado, se necessário. E adverte: “caso a renovação não seja solicitada pelo órgão apoiado, tempestivamente, o efetivo será retirado imediatamente  após o vencimento da portaria”

A Força-Tarefa foi constituída no ano passado por determinação do governador tem como objetivo o esclarecimento de centenas de assassinatos ocorridos no Ceará nos últimos meses, em conseqüência da guerra de facções e da disputa de território do tráfico de drogas.

Publicidade
Mais Lidas
Leia Também