Hidrogenio verde e o combustivel do futuro

Festival de Dança do Litoral Oeste chega a Paracuru nesta sexta e sábado

Imagem do espetáculo "Muda"

18/04/2017 17:33

O município de Paracuru, um dos principais destinos turísticos do Estado, recebe, nesta sexta-feira (21) e no sábado (22), a 9ª edição do Festival de Dança do Litoral Oeste. O evento começa a partir das 20h30, na Praça de Eventos  terá acesso gratuito.

O Festival é um dos principais eventos de dança do Ceará, propondo-se como ação descentralizadora e democrática de circulação dessa arte, priorizando, sobretudo, a produção cearense. Desde a primeira edição colabora com o fortalecimento deste segmento e a democratização do acesso à cultura na Região do Litoral Oeste cearense.

As cidades de Itapipoca, Trairi e Paracuru, que a cada ano se dividem como sede do Festival, desenvolvem há mais de duas décadas ações continuadas e permanentes em dança, no âmbito da formação técnica, pesquisa, criação, montagem, mostra e difusão.

Programação

Na noite de abertura, haverá uma homenagem ao bailarino e professor cearense Ernesto Gadelha, por toda sua contribuição e seu histórico de gestão e formação, na criação de espaços e atravessamentos artísticos que potencializam os encontros e as políticas na dança no Ceará.

Ernesto Gadelha é formado em Pedagogia da Dança pelo Instituto de Danças Cênicas da Escola Superior de Música de Colônia, com pós-graduação em Dança Contemporânea na Escola Superior Folkwang, em Essen, ambas na Alemanha. Atuou como bailarino profissional em companhias e grupos de dança do Brasil, Holanda e Alemanha.

Após a homenagem, o Festival recebe os bailarinos Mel Oliveira e Sandro Fernandes, do Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, que apresentam o grand pas de deux do Cisne Negro, III Ato do balé O Lago dos Cisnes.

Na sequência, Alexandre Américo, do Rio Grande do Norte, com o espetáculo “Myo_Clonus”, e quatro de grupos e bailarinos do Ceará: O Curso Técnico em Dança leva ao palco “Muda”, Clarissa Costa e Jhon Morais dançam “Felizes para Sempre” e o Grupo de Dança do Cuca Mondubim participa com o espetáculo “Afro Dizia”.

No sábado, a programação artística começa com o espetáculo “Desaparecidos”, da Cia de Dança Ciclos. É também a noite do Grupo de Dança Tablado com “Primavera Flamenca” e da Paracuru Cia de Dança, que leva ao palco “Coração Vagabundo”. Para encerrar com festa, a cantora Mel Mattos apresenta o show “Démodé?!”.

Oficina e Encontro

Além dos espetáculos, o Festival traz ações formativas. Nos dias 21 e 22, das 14h às 17h, na Escola de Dança de Paracuru, acontece a oficina do bailarino Alexandre Américo, que atua na área da investigação em Dança Contemporânea, com enfoque em estruturas de improvisação.

No dia 22, das 9h às 12h também na Escola de Dança de Paracuru, haverá um encontro cuja discussão será em torno das políticas públicas de continuidade e gestão nas produções artísticas e eventos no interior do Estado. O encontro será mediado por Flávio Sampaio e contará com a participação de representantes da dança do interior do Estado.

Trairi ainda recebe três workshops como parte das ações formativas desta edição do festival, sendo ministradas por Alex Santiago, professor da Escola de Dança de Paracuru. São eles: “Conhecimento do estudo técnico e artístico do ballet clássico: Aulas de Chão; Aulas na Barra e Aulas no Centro”, “Conhecimento do estudo técnico e artístico da Dança Contemporânea: Estudo do Movimento; Estudo de Método e Prática” e “Estudo dos contatos entre os corpos e suas possíveis conduções durante as danças: Identidade, integridade, e escuta corporal; Compreensão das expressões artísticas; Dinâmica do corpo e Percepção sinestésica”.

As atividades acontecerão nos dias 19, 20, 26 e 27 de maio, na Comunidade Educacional Padre Anchieta – CEPAN (Av. César Cals de Oliveira), destinadas a dançarinos, monitores capoeiristas e monitores de dança da sede e interior de Trairi. Será uma rica formação e compartilhamentos de informações.

LINKS PATROCINADOS