sete dias sem medo da notícia
DHPP conclui que PM foi morto por bandidos sem esboçar reação
O bando colocava obstáculos na pista para forçar a parada dos veículos e atacá-los
Romário, Lucas e e Miquéias estão presos no DHPP
Por : Fernando Ribeiro
25/09/20 10:27

Três bandidos suspeitos da morte de um policial militar estão detidos na carceragem do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em Fortaleza. Eles acabaram presos após terem ido até à sede daquele órgão policial “tomar satisfações” da razão de estarem sendo apontados como envolvidos no crime.  O PM foi morto sem, ao menos, reagir ao ataque dos assaltantes.  Foi baleado sem, sequer, ter sacado sua arma.

De acordo com a Polícia Civil, Romário Pereira Silvério, 25 anos; Lucas Salviano da Silva, 25; e José Miquéias da Silva, 19, são os responsáveis pelo assassinato do soldado PM Frank Dellano de Almeida Nunes, 25. O militar foi baleado e morto na manhã do último domingo (20), no quilômetro 93 da BR-116, no Distrito de Cristais, no Município de Cascavel, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Horas após o crime, quando a Polícia fazia uma caçada aos criminosos, os nomes dos três suspeitos logo apareceram nas redes sociais. No dia seguinte, eles se apresentaram no DHPP para questionar a razão de estarem sendo apontados como suspeitos do caso. Mas, segundo a delega Cláudia Guia, titular da 11ª Delegacia do DHPP, não ficou  caracterizada uma apresentação espontânea. “Eles estavam sendo procurados a todo instante pela Polícia. Dei voz de prisão aos três”, afirma Guia.

Na pista

A Polícia descobriu também que o PM, que viajava de carro com dois amigos –  da Capital em direção ao Município de Iguatu, no Centro-Sul do estado – não reagiu à abordagem dos ladrões, que havia colocados pedaços de pneus velhos na pista para forçar a parada dos veículos. Ao perceberem que um dos reféns no assalto era policial, eles decidiram matá-lo.  Baleado, o soldado Frank foi socorrido ao Hospital da cidade de Morada Nova, mas não resistiu, Foi o 16º agente da Segurança Pública morto no Ceará em 2020.

De acordo com o chefe do Comando de Policiamento Especializado de Choque (CPE-Choque), coronel PM Ronaldo Silva, os homens presos costumavam praticar assaltos naquele trecho da BR-116 e já respondem a inquéritos policiais por esta prática. O modo de agir era sempre o mesmo: colocavam obstáculos na pista para forçar a parada dos veículos. Então, saíam do mato nas margens da estrada e atacavam as vítimas.

LEIA TAMBÉM