Sete dias por semana sem medo da notícia!
Deputado Vitor Valim repudia agressões sofridas por Donizete Arruda
Parlamentar afirma que a democracia e a imprensa foram feridas diante da agressão
Deputado fez a denúncia das agressões na tribuna e em entrevistas na Assembleia

“Não existe Estado Democrático de Direito sem liberdade de Imprensa. Não existe democracia se não existir Imprensa livre”. As palavras são do deputado estadual Vitor Valim ao ser referir às agressões sofridas pelo jornalista e radialista Donizete Arruda, nesta semana, no Aeroporto de Brasília. Arruda foi  agredido fisicamente e ameaçado por Moisés Góis, filho do ex-prefeito do Município de Pedra Branca.  O parlamentar reagiu com veemência ao fato em pronunciamento e entrevistas na Assembleia Legislativa do Ceará e exigiu providência das autoridades.

Segundo Valim, o jornalista Donizete Arruda foi ofendido primeiramente com palavras de baixo calão e, logo depois, agredido a chutes por Moisés Góis e só não sofreu mais espancamentos graças à intervenção de outros jornalistas e passageiros que iam embarcar no voo com destino a Fortaleza.

Valim lembrou que Donizete tem relatado em seu programa de rádio (“Ceará News”, na Rede Plus de Rádio FM) fatos que são públicos e que geraram denúncias do Ministério Público, tendo como conseqüência, prisões, afastamentos de gestores de seus cargos e até renúncias, como o caso específico de Antônio Góis, que entregou o cargo de prefeito de Pedra Branca.

“Quem não quer sofrer críticas, quem não quiser ser alvo de críticas, não entre para a vida pública. Não podemos nos calar diante do que aconteceu com Donizete Arruda. O que aconteceu feriu toda a imprensa , feriu a democracia”, ressaltou.

Valim disse, ainda, que os escândalos denunciados por Arruda são públicos e notórios e que ele apenas exerceu dignamente o seu papel de jornalista e radialista. “Foram escândalos relatados com o amparo de denúncias do próprio Ministério Público”, repetiu.

Ouça o áudio

Publicidade
Mais Lidas
Leia Também