Sete dias por semana sem medo da notícia!
Madson Vagner
Jornalista, colunista e escritor
Poucas mudanças na eleição da Aprece

A eleição para o comando da Associação dos Municípios do Ceará (Aprece), trará poucas mudanças. Com chapa única, haverá uma troca de lugares entre os atuais presidente e vice. Gadyel Gonçalves, atual presidente, desce para a vice; enquanto Nilson Diniz, atual vice, sobre a presidência. As novidades da eleição, que acontece nesta sexta-feira, 25, estarão apenas na diretoria executiva e nos conselhos fiscal e deliberativos. Com uma das menores participações dos últimos tempos, a região do Cariri terá o prefeito de Granjeiro, João Gregório, no Conselho Deliberativo. Recentemente, o Cariri chegou a vice-presidência, com o então prefeito de Mauriti, Evanildo Simão. O desinteresse dos caririenses com a entidade estaria ligado a pouca influência política exercida atualmente. Mesmo assim João Gregório comemora a conquista.

Virou piada

O prefeito de Santana do Cariri, Pedro Henrique (MDB), conhecido por medidas fora do contesto ético-administrativo, parece estar se aventurando em decisões fora de contesto jurídico. No dia 16, o gestor enviou à Câmara de Vereadores um Projeto de Lei estipulando o salário mínimo praticado pela administração R$ 40 reais menor que o determinado pela Presidência da República, na mesma semana. Pedro Henrique determinou o valor de R$ 958 reais, em confronto com os R$ 998 reais determinados pelo Governo Federal. A matéria virou alvo de críticas na Câmara e piada nas redes sociais. Entre os servidores, o conceito do prefeito é de total despreparo administrativo. Diante da repercussão negativa, a assessoria jurídica do prefeito disse que tudo não passou de um erro de digitação é que o projeto será reenviado à Câmara. Ficou pior!

Perseguição política

A situação política-administrativa do prefeito de Milagres, Lielson Landim (PDT), parece piorar a cada dia. Mesmo depois de recuperar na justiça o comando da Câmara, Lielson tem sofrido constantes desgastes junto às comunidades do município. Na última semana, o vereador Tião Vasques reuniu lideranças do sítio Serra Brava para realizar os festejos sociais do padroeiro local, São Sebastião. Na gestão Lielson, a festa ainda não recebeu apoio da Prefeitura. Nas redes sociais foram expostas informações como o repasse de R$ 1,5 milhão do Fundo Participação dos Municípios (FPM), para mostrar que o problema não é dinheiro. Apesar de Lielson não justificar a decisão, na comunidade a avaliação é que o motivo foi a derrota do prefeito na comunidade na eleição passada. Será perseguição?

Terceira via

Depois da importante vitória do grupo liderando pelos irmãos Gidalberto e Tardiny Pinheiro na composição da nova Mesa Diretora da Câmara de Missão Velha, agora foi a vez do vice-prefeito Dr. Lorin, avançar nas articulações. Lorin rompeu com o prefeito Diego Feitosa e se prepara para disputar contra Diego e o grupo dos Pinheiros. Na última semana, Lorin conseguiu a adesão do vereador Orlando do Aleixo, que representa a região da serra do Jamacaru, que junta o Pontal da Serra, Banco de Arreia e Aleixo. A região era aliada de Diego, por articulação do ex-prefeito Washington Fechine. A adesão do vereador Orlando ao grupo do Dr. Lorin é avaliado pela oposição como um avanço perigoso da chamada terceira via para a disputa. Na base do prefeito, a avaliação é que a maior liderança da serra é Washington e, portanto, o rompimento de Orlando não afetará na próxima eleição. Lorin comemora!

Crise sem fim em Jardim e Mauriti

Apesar do tempo e das medidas administrativas como redução de custos, dois municípios do Cariri, em especial, parecem longe de sair das crises em que estão mergulhados. Em Jardim, o esforço é para conseguir reduzir os cursos com pessoal que, mesmo com flexibilização da Lei de Responsabilidade Fiscal, a LRF, deve ultrapassar os 60% tolerados. O prefeito Aniziário pede ao Ministério Público do Estado autorização para fazer demissões de concursados que teriam ingressado em processos fraudulentos. Em Mauriti, a luta do prefeito Mano Morais é contra os descontos obrigatórios de dívidas deixadas por gestões passadas. Os valores descontados em conta corroem as finanças do município e inviabilizam o seu funcionamento. Salários de dezembro ainda não foram totalmente pagos e os fornecedores ameaçam abandonar serviços por falta de pagamento. Em ambos os casos as crises estão longe de uma solução.

Campanha milionária em Farias Brito

A campanha eleitoral de 2020 no município de Farias Brito promete muitas emoções recheadas de denúncias e investigações por Ministério Público e Tribunal Eleitoral. Na cidade é dada como certa a candidatura do empresário Algésio Pereira, conhecido por Déda, que garante não se aliar a nenhuma das forças políticas existentes no município. A candidatura independente teria força na capacidade financeira pessoal de Déda. Nas rodas de política da cidade, Déda anuncia estar se desfazendo em um bem imóvel no valor de R$ 8 milhões para gastar na eleição. O comentário teria chegado aos ouvidos das forças políticas, que já estariam juntando informações de distribuição de dinheiro em feiras e eventos religiosos; tido para ser encaminhado ao Ministério Público. O abuso de poder de econômico pode tirar Déda do páreo antes da eleição começar.

Gangorra política em Campos Sales

O prefeito de Campos Sales, Moésio Loiola (PDT), parece convencido de que o seu vice-prefeito, Valdir Júnior, não representa a manutenção do projeto político que comanda o município. Apostando na candidatura do vice para sua sucessão, Moésio ficou sabendo que, na verdade, Valdir pretendia colocar um sobrinho para lhe representar na eleição. Chamado a explicar, Valdir desmentiu, mas deixou a dúvida de quem realmente comandaria a gestão. Agora Moésio parece direcionado a encontrar outro nome na sua base. Segundo informações, o nome mais forte no momento é o do ex-candidato a prefeito Coronel Hermann. Compondo a base de Moésio, Hermann tem sido elogiado sistematicamente por pessoas próximas gestão. Moésio não fala sobre a escolha, mas teria dito a pessoas próximas que Hermann é um bom nome. É a gangorra da política.

Eleição estranha na Câmara de Mauriti

A eleição para a mesa diretora de Mauriti está sendo tratada pela população como, no mínimo, estranha. A base do prefeito Mano Morais (PDT), cumpriu sua parte ao manter acordo para eleger o vereador José Juscier (PDT), conhecido como Dr. Zuza, para assumir a presidência da Casa, mantendo a ex-presidente Fernanda Martins (PSDB), como vice na chapa. Até aí tudo bem. O problema é que toda a base de oposição, além de não lançar candidatos acabou fechando com a situação.

BANCADA PETISTA. Com cerca de nove vereadores, a bancada petista votou no candidato do prefeito. Para os mais críticos a eleição mostra a fragilidade do debate dos líderes petistas, os ex-prefeitos Isaac Júnior e Evanildo Simão, junto a bancada. Os dois lideram a oposição e devem estar na chapa que terá Isaac Júnior na cabeça. Resta saber, se os petistas fecharão com chapa.

AMEAÇA. Se o prefeito Mano Morais não tem encontrado problemas com a bancada petista no seu governo; ele parece desconfiado com um nome da sua própria base aliada, que está se credenciando a concorrer contra sua reeleição. A desconfiança do prefeito está nos muitos feitos da vereadora Fernanda Martins à frente da Câmara.

BOA GESTÃO. A ex-presidente fez a maior reforma que a Casa já viu, com ampliação do Plenário e construção de gabinetes individuais para os vereadores; além de popularizar o Legislativo junto a escolas e comunidades.

RESULTADO. O resultado foi a redução de 30% do Duodécimo sugerido pela administração Mano Morais. Hoje é consenso que Fernanda representa uma grande força política e se romper vai dar trabalho ao PDT de Mano e ao PT de Isaac Júnior. Talvez aí o motivo para todos estarem juntos para eleger um novo presidente para a Câmara. Será o suficiente?

Reclamação recorrente dos prefeitos

A maioria dos prefeitos terminam e iniciam o ano reclamando. No fim, os gestores choram o pagamento do 13º salário e no início reclamam do reajuste do salário mínimo. Apesar de alguns nem terem conseguido pagar o 13º, já têm que se preocupar com o reajuste, que este ano será de 5,45%. O Projeto de Lei já foi aprovado pelo Congresso e está para sansão presidencial. Mesmo com a reclamação da Confederação Nacional dos Munícios, a CNM, sobre um impacto de R$ 2,3 bilhões, o caminho é sem volta; Temer vai sancionar.

AOS PREFEITOS resta se preparar para a despesa. É a história do muito para quem paga, mas pouco para quem recebe. Para os servidores, o incremento representa apenas R$ 52 reais, quase nada para quem espera pelo aumento todo o ano. Apesar da choradeira, os prefeito têm o que comemorar, terão carta branca para pagar, viva a flexibilização da Lei de Responsabilidade Fiscal. Agora é só conseguir o dinheiro.

 

Prefeito de Milagres perde Câmara

O prefeito de Milagres, Lielson Landim, tem motivos de sobra para entrar o ano preocupado. Uma derrota surpreendente e acachapante, sofrida na Câmara de Vereadores, pode colocar seu mandato em rota de colisão com a Casa. Lielson foi atropelado politicamente pelo grupo de oposição, comandado pelo ex-prefeito Hellosman Sampaio. Na cidade a avaliação é que Lielson foi humilhado publicamente. Depois fazer a mesa diretora da Casa, viu a sessão ser anulada e feita nova eleição.

TIDO COMO CONSENSO, o vereador Giancles Filgueira, acabou destronado e em seu lugar alçado o vereador Beto Mitrato, ligado a Hellosman. A manobra deixou a todos de queixo caído, e a gestão de Lielson já teme o pior. As poucas explicações para o ocorrido, rumam no sentido da falta de atenção e descumprimento de acordo. Na política, esse erro pode ser fatal.

AINDA EM MILAGRES, o prefeito Lielson Landim, procura entender o que aconteceu na Câmara. Depois da eleição de 30 de novembro, que elegeu Giancles, a oposição reverteu tudo no dia 21 de dezembro. Na data seria a última sessão, com a previsão de visita do prefeito à Casa, mas o que aconteceu foi a anulação da sessão do dia 30.

O AUTOR DA FAÇANHA, o vereador Jorge de Dona Iraci, pediu a anulação da sessão sob argumento de que na sessão do dia 30, não foi lido a Ata da sessão anterior e que não tinha sido obedecido o tempo regimental para registro de nova chapa. Diante dos “graves” fatos a sessão foi anulada. Na prática a reviravolta teve o dedo do ex-prefeito Hellosman Sampaio.

Recesso da Justiça é refresco para prefeito infrator

O recesso da Justiça, que teve início no dia 20 de dezembro, sem o julgamento dos muitos pedidos de afastamentos de prefeitos e outros gestores das prefeituras do Ceará, deve funcionar para aliviar a pressão sobre os políticos infratores. A esperança dos denunciantes, na sua maioria pertencentes as oposições, é que alguns pedidos sejam incluídos na pauta dos juízes plantonistas.

CRIMES E LENTIDÃO. Crimes como peculato, formação de quadrilha, desvio de dinheiro, superfaturamento, nepotismo, entre outros, devem continuar sendo cometidos no decorrer dos próximos meses, que compreendem o recesso. Para os mais críticos a lentidão da justiça motiva os cometimentos de crimes nas gestões públicas. Hoje no Ceará, dezenas de prefeitos esperam por decisões da justiça sobre sua permanência ou não no Poder.

NO CARIRI. Na região do Cariri, pelo menos, dois gestores comemoram o recesso da justiça. Eles enfrentam pedidos de afastamento por crimes contra administração pública. O fator comum entre os dois gestores: eles afirmam não temer decisões investigações.

INVESTIGAÇÃO. O Ministério Público do Estado investiga em Tarrafas e Assaré esquemas montados que emprega toda família na gestão para colaborarem com um milionário desvio de dinheiro público. O prefeito de Tarrafas, Tertuliano Cândido, o Taiano, é acusado de entregar a gestão ao pai, o ex-prefeito Terto. O prefeito de Assaré, Evanderto Almeida, também, enfrenta pedido de afastamento por improbidade administrava. Nos dois casos foram pedido bloqueio de bens e emissão de multa.

Aterro sanitário, agora vai!

Rodeados de problemas para pagar o 13º salário dos servidores e se explicar ao TCU sobre precatórios do Fundef, os prefeitos do Ceará receberam uma boa notícia. O Governo do Estado vai tomar a frente para resolver o problema dos lixões nos municípios.

Os gestores têm até 2021 para se adequar à Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que prevê a extinção dos lixões. Mesmo fora do comando das prefeituras, os gestores podem ser responsabilizados pela não implantação de alternativas sustentáveis que encerrem com o atual modelo, sob pena de improbidade administrativa.

O alívio veio no dia 12, com o anúncio do Governo de que vai lançar 103 Planos de Coletas Seletivas, com 81 Planos de Recuperação de Áreas Degradadas e 11 Planos Regionais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, os aterros consorciados. Vai ajudar na saúde da população e na redução do estresse dos prefeitos.

A situação no Cariri

O único município do Cariri a cumprir as determinações da Lei dos Resíduos Sólidos é Brejo Santo. Méritos ao ex-prefeito e deputado estadual eleito Guilherme Landim (PDT), que a cerca de 5 anos, implantou no município um aterro sanitário.

Recentemente, os nove municípios da Região Metropolitana do Cariri e mais Altaneira, se organizaram para dar início a discussão sobre uma solução para extinguir os lixões. O primeiro debate, realizado no Crato, teria motivado o Governo do Estado a anunciar o plano conjunto para o Estado.

A parceria acontecerá com Secretaria de Meio Ambiente do Estado (Sema), Associação dos Gestores Ambientais (Agace), Associações dos Municípios (Aprece) e secretarias municipais. No Cariri, já existe disputa para a implantação dos aterros consorciados. Em tempos de crise tudo é geração de emprego e renda.

TCU e a nova dor de cabeça para prefeitos

Depois da boa notícia de que os prefeitos com redução na arrecadação, superior a 10%, poderiam extrapolar o limite da responsabilidade fiscal para pagamento de folha de pessoal, os gestores tiveram uma má notícia. Agora o Tribunal de Contas da União, o TCU, decidiu proibir as gestões municipais de destinar os recursos do precatório do antigo Fundef para pagamentos de salários, bônus, dívidas trabalhistas e outros benefícios à professores; além de qualquer destinação dos recursos fora do que seja reconhecido como manutenção e melhoramento na educação básica pública. Quem já dividiu os recursos com os professores terá que devolver, sob pena de responderem por improbidade e, até, perderem os mandatos. O TCU já tinha avisado desde julho deste ano. Para os que não dividiram os recursos com os professores, o respiro é aliviado.

ALÍVIO TEMPORÁRIO. Tem prefeito no Cariri comemorando o fato de não ter pago os 60% requerido pelos professores, no caso dos precatórios do antigo Fundef. É bom ir devagar. O Tribunal de Contas da União (TCE), não perdoará os gestores que usaram o dinheiro para outro fim, senão o desenvolvimento da educação básica. Há casos, como os prefeitos de Altaneira e Araripe, que merecem especial atenção.

EXEMPLOS. Em Araripe, o prefeito Giovane Guedes, do PR, disponibilizou apenas parte dos recursos aos professores e o restante afirmou que usaria para garantir o pagamento do reajuste e salários da classe, além de reformas em escolas. Apesar da boa vontade Giovane será cobrado pelo uso inadequado dos recursos. Em Altaneira, o prefeito Dariomar Soares, do PT, fez diferente. Ele simplesmente não pagou nada aos professores. O problema é que não disse o que iria fazer com o recurso.

O MP e a livre e espontânea pressão

Tentado fechar o cerco contra as administrações que usam cargos públicos para fazer política, o Ministério Público do Estado (MPCE) tem pego infratores ou não. A solução encontrada é a realização de concursos públicos para diminuir os contratos temporários. Problema para as Prefeituras que trabalham dentro da lei e lutam para diminuir gastos com folhas de pagamento e se adequarem a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Concursados têm mais diretos que contratados e aumentam o custo. Na rota da “livre e espontânea pressão”, os promotores orientam a realização do concurso e depois articulam a assinatura de Termos de Ajustamento de Condutas, os TACs. Do outro lado, a União inicia o bloqueio dos repasses constitucionais, como FPM e Fundeb, em caso descumprimento da LRF. Alguém duvida da pressão sobre os prefeitos?

ALVO RECENTE. Na região do Cariri, pelo menos, metade das Prefeituras já foram acionadas pelo Ministério Público do Estado (MPCE) para a realização de concursos. A mais recente foi Brejo Santo, onde, amigavelmente, os promotores chamaram para a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), nesta sexta-feira, 23.

COMPROMISSO. No TAC, a prefeita Tereza Landim se compromete a realizar concurso e convocar aprovados até junho de 2019. Apesar do município estar com as finanças em dia, a gestora teme a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), com o custo mais alto sobre a folha, além dos muitos desempregados. Mas, não jeito. Em caso de desobediência, a gestora pode sofrer ação de improbidade e pagar multa. A opção é cumprir!

Eleição ajustada em Santana do Cariri

Depois de muitas idas e vindas, as duas chapas encabeçadas pelos vereadores Luciene Soares e Arclébio Dias, que disputaram a eleição para a mesa diretora da Câmara de Santana do Cariri devem se enfrentar novamente. Em atendimento ao pedido de liminar da candidata de oposição Luciene, impugnada no último pleito, o juiz Djalma Sobreira, reuniu os 11 vereadores em audiência na sexta-feira, 23.

Ficou ajustado que as duas chapas se enfrentem no dia 6 de dezembro próximo, sem espaços para nenhum outro registro. As chapas se comprometeram, ainda, reconhecer a legalidade da concorrente. Satisfeitos, os vereadores apoiadores de Luciene pousaram para foto em frente ao Fórum. O sentimento é de já ganhou.

SEM PREOCUPAÇÃO. Apesar do tsunami que atinge em cheio sua administração e seu futuro político, o prefeito de Santana do Cariri, Pedro Henrique (MDB), parece estar despreocupado. Recentemente, até veio à Santana; reuniu meia dúzia de repórteres para falar sobre suas poucas ações. Mas, novamente foi embora. Reapareceu no Piauí, onde tem empresas, ao lado da sua noiva, com quem dividiu uma pomposa festa que custou, segundo especulações, a bagatela de R$ 50 mil.

GREVE A VISTA. Já em Santana, os garis entraram em greve por falta de pagamento. A empresa que faz a coleta do lixo não recebe a quatro meses e os garis a dois. Se a população cumprir o prometido, o lixo será depositado na porta da Prefeitura; a casa do prefeito está vazia.

Tarrafas pode ficar sem comando

Nada é tão ruim que não possa piorar. Apesar de clichê, o adágio popular se aplica a situação de Tarrafas. Sem dinheiro, após ter FPM e Fundeb bloqueados pela União, agora o município pode ficar sem prefeito e sem outro comando. É que o Ministério Público do Estado resolveu acabar com a farra dos cargos públicos distribuídos para familiares do prefeito. A promotora Vandisa Azevedo, pediu o afastamento e a indisponibilidade dos bens do prefeito Taiano, do vice Cícero Palácio, da presidente da Câmara, Francisca da Silva, e de mais 31 pessoas, por nepotismo. Os três estão na escala de sucessão.

A promotora pediu ainda bloqueio financeiro no valor de 658 mil. Na ação, impetrada no dia 13, a promotora disse que a prática resulta num total desrespeito aos princípios da impessoalidade e moralidade na gestão pública. Prefeito e vice já haviam sido cassados por compra de votos, mas o TRE anulou a decisão.

Mais afastamento

E o Ministério Público do Estado parece realmente disposta a acabar com a farra do nepotismo nas prefeituras do Cariri. Em Assaré, a promotora Vandisa Azevedo pediu o afastamento e o bloqueio dos bens do prefeito Evanderto Almeida, familiares e secretários da sua gestão. O bloqueio está estipulado em pouco mais de R$ 380 mil e a promotora pediu, além do afastamento, a perda do mandato do prefeito e aplicação de multa.

A ação pede o imediato afastamento dos familiares do prefeito e dos agentes públicos: Francisca Naira Costa Viana (esposa), Roberta Maria Costa Sampaio (sobrinha) e Francisco Paulo Paiva Almeida (filho), Meiriele Leite Silva (nora), José Evandércio Almeida (irmão), Valéria Sampaio Freire Alencar (nora), Maria Eldevanha de Sousa dos Santos (secretária de Educação), e Ione Honório da Silva (cunhada da secretária da Educação).

Deu oposição em Santana do Cariri

Depois do confronto de informações entre oposição e situação na disputa pelo comando da mesa diretora da Câmara de Santana do Cariri, o juiz Djalma Dantas Júnior resolveu a questão. Ele anulou a sessão que elegeu o vereador Arclébio Dias, como novo presidente da Câmara. Arclébio teve apenas quatro dos 11 votos, numa votação em que sete vereadores, apoiadores da vereadora Luciene Soares, abandonarem a sessão.

A chapa da oposição foi impugnada pelo presidente Gildo Lopes sob alegação de falsificação e ausência de assinaturas dos integrantes. Na decisão, publicada dia 14, o juiz levou em consideração denúncias de abuso de autoridade, informadas ao Ministério Público. Ao presidente Gildo Lopes foi dado dois dias úteis para lançar edital chamando nova eleição, sob pena de multa de R$ 1 mil por dia. A oposição comemora!

Prefeito perto da cassação

A notícia do cancelamento da sessão que elegeu o vereador Arclébio Dias para a presidência da Câmara, caiu como uma bomba na gestão do prefeito Pedro Henrique (MDB). Apesar de pouco tempo à frente da administração, o jovem prefeito já acumula muitos desafetos na Prefeitura e na Câmara de Vereadores. Tem contra sua administração sete vereadores e uma série de denúncias de corrupção que podem levar a sua cassação.

Uma certeza os aliados do prefeito Pedro Henrique têm, se a oposição ganhar a eleição da Câmara, sua cassação é uma questão de tempo. Com desgastes causados por atrasos de salários e de fornecedores as críticas estão surgindo de todos os lados. Seu pai, Pedro de Gerson, para muitos o gestor de fato, tenta reverter a situação junto aos vereadores, mas até agora o quadro está inalterado. Pedro Henrique paga o preço pela inexperiência.

Mais perto da reeleição

Bem diferente de outros prefeitos eleitos em 2016, o atual gestor de Farias Brito, José Maria, está cada vez mais perto da sua reeleição. Além de manter o alinhamento com o ex-prefeito Dr. Vandevelder, maior líder político do município dos últimos 20 anos, José Maria está de bem com eleitores e com a Câmara.

Outra motivação para o bom momento é a gestão financeira. Folha de pagamento e fornecedores em dia, fazem de Farias Brito um município equilibrado economicamente. Na Câmara, a base do prefeito ganhou mais um membro; o recém empossado, vereador Valdemir da Betânia. O suplente assumiu no lugar do vereador Beir da Serra, falecido recentemente e que fazia oposição a administração. Hoje, a base do prefeito tem sete dos 11 parlamentares. Para o gestor, o número garante a aprovação de projetos importantes e a estabilidade política.

Enquanto isso…

… Ainda em Farias Brito, o prefeito José Maria, do PCdoB, recebeu notificação do Ministério Público do Estado (MPCE) sobre contratação e pagamento de assessoria jurídica para acompanhar processos referentes ao precatório do antigo Fundef. De posse da recomendação, o gestor divulgou em suas redes sociais (facebook) que irá cumprir a recomendação.

… A recomendação do MPCE em Farias Brito é extensiva a outras prefeituras que, também, já foram notificadas. No documento, o promotor Cleyton Bantin, pede resposta em 10 dias, acompanhado de documentos que comprovem o cumprimento da recomendação. O promotor orienta a suspensão de qualquer pagamento aos escritórios de advocacia.

Triste constatação da intolerância política no Ceará

Passados alguns dias da eleição presidencial que deve mudar o conceito de país flexível, mantido pelo Brasil até agora, o Ceará é um dos primeiros a chegar a triste constatação da intolerância crescente. Em apenas uma semana de funcionamento o Observatório da Intolerância Política e Ideológica do Ceará já recebeu 14 denúncias. Crimes que violam os princípios democráticos, de convivência e expressão são a maioria das denúncias. Um ataque ao acampamento do MST em Tamboril se tornou público. Os arredores de 150 casas improvisadas foram incendiados como forma de aviso. Os casos, em sua maioria ameaças pela internet, são investigados em sigilo pela Defensoria Pública do Ceará, que coordena o projeto, com apoio de entidades como OAB-Ceará, Defensoria Pública da União e o Conselho Estadual de Direitos Humanos. No Cariri, pichações de grupos de extrema-direita e esquerda na UFCA e URCA devem ser investigadas.

Chuva de concursos

Motivados por ações do Ministério Público do Estado (MP), prefeitos e presidentes de Câmaras do Cariri estão realizando desde 2017 uma séria de concursos públicos. Entre os mais recentes estão a Câmara de Lavras da Mangabeira e as Prefeituras de Barbalha e Juazeiro do Norte, além de Milagres e Santana do Cariri. E a pressão sobre outras gestões devem aumentar para o próximo ano. O objetivo dos promotores é evitar o uso da máquina pública na eleição de 2020. Em 2016 foram muitas as denúncias de distribuição de cargos comissionados e contratados para facilitar reeleições e eleições de aliados. O problema é que para evitar a fara dos cargos públicos, o MP deve onerar as folhas de pagamentos fazendo com que os atuais gestores descumpram a Lei de Responsabilidade Fiscal. Já tem prefeito demitindo e pensando em desistir da disputa.

Truculência no parlamento

Santana do Cariri parece fadada às más notícias políticas. Desta vez foi a Câmara de Vereadores que teve seu processo eleitoral para a sucessão da Mesa Diretora atropelado pelo presidente Gildo Lopes. Com a derrota eminente, Gildo indeferiu a chapa de oposição e despertou a revolta de sete dos 11 vereadores. A motivação para o indeferimento seria a ausência da assinatura da candidata da oposição Luciene Soares. A oposição garante que toda burocracia foi cumprida e a impugnação, acontecida durante a sessão do dia 1º de novembro, data da votação, foi arbitraria. Os sete parlamentares abandonaram a sessão depois do presidente negar, inclusive, a fala aos parlamentares da chapa impugnada. Mesmo sem o quórum mínimo e rasgando o Regimento Interno, Gildo procedeu com a votação. O caso será resolvido pela Justiça. A ação já foi protocolada!

Quem está por trás

A arbitrariedade na Câmara de Santana do Cariri, contra a chapa de oposição, foi articulada por Pedro de Gerson, pai do prefeito Pedro Henrique e gestor de fato. As decisões do presidente Gildo Lopes, que atropelaram a democracia e o Regimento Interno da Câmara, aconteceram sob aplausos de dezenas de servidores contratados e comissionados da Prefeitura. Centenas de fotos e vídeos devem ser encaminhados ao Ministério Público para comprovação do uso da máquina pública durante a sessão que evitou a chegada da oposição ao poder no Legislativo. Será pedido a exoneração de todos os servidores presentes à sessão. A articulação feita por Pedro de Gerson teve um objetivo, garantir a manutenção do filho no poder até 2020. A oposição já teria material suficiente para cassar o prefeito e destronar o pai Pedro de Gerson.

Independência comprometida

A tensão política em Altaneira transferiu momentaneamente o foco da Câmara e da Prefeitura para a eleição do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais. Apesar da mudança de foco, Prefeitura e Câmara continuam no protagonismo das discussões e eleitorais. O vereador professo Adeilton, ex-líder da oposição, acusa membros do Executivo de fazer campanha na eleição sindical me favor de um dos candidatos. Adeilton diz que a municipalidade está favorecendo a candidatura do professor José Evantuil, defendido pela atual presidente do Sindicato, Lúcia Lucena. Na mesma nota, Adeilton pede votos para o outro candidato, o opositor Manoel de Sousa. Ou seja, há intervenção de ambos os lados na eleição. A pergunta é: tem possibilidade deste sindicato ser independente após a eleição?

Enquanto isso…

… Em Salitre, além de ver o grupo do ex-prefeito Agenor Ribeiro, que faz parte o atual prefeito Rondilson Ribeiro (PT), se apossar dos mais de 85% dos votos válidos, a oposição teve que amargar a renúncia de um dos seus nomes, o vereador Sebastião Miranda (PTB). A decisão do vereador foi anunciada no dia 23. A motivação apontada foi pessoal de saúde.

… A comunicação do vereador salitrense, feita a Justiça Eleitoral, pegou a todos de surpresa, inclusive os poucos amigos de oposição como o vereador Silvio Pinto, convidado a sair da situação. Para piorar, o vereador suplente Cicero Batista, empossado no dia 25 já anunciou apoio a base do prefeito. Ou seja, a oposição que já era pequena, quase sumiu.

… Quem permaneceu com uma agenda bem movimentada, mesmo após o termino do primeiro turno da eleição, foi o deputado estadual eleito Fernando Santana (PT). Durante todo o segundo turno, Fernando teve agenda em vários municípios com carreatas, caminhadas e visitas para garantir o voto no petista Fernando Haddad.

… Homem de confiança do governador Camilo Santana (PT), o deputado eleito Fernando Santana, não poupou esforços para garantir que o Cariri desse a alegria pessoal e, de quebra, contribuísse para o fortalecimento do governador no PT nacional. Apesar da derrota no país, Fernando e Camilo comemoram a votação histórica ao petista Haddad.

A nova disputa para os municípios

Passada a ressaca do primeiro turno da eleição, aquela que interessa diretamente os municípios e suas lideranças, inicia a disputa por vagas no governo do petista Camilo Santana. Com a queda do PT de José Guimarães e do MDB de Eunício Oliveira na esfera federal, a previsão é que todos os pedidos sejam feitos a esfera estadual. Verdadeiras “frentes de batalha” começam a se articular para disputar as vagas. Beneficiado pelo amplo arco de alianças, Camilo precisará de muito jogo de cintura para fazer tantas acomodações dentro do seu governo, sem desagradar. No Cariri, a corrida aos representantes do governo já começaram. Os deputados estaduais eleitos Fernando Santana e Guilherme Landim, e os deputados federais reeleitos José Guimarães e André Figueiredo, já anotam os pedidos. Terá vagas suficientes? Por enquanto estamos na fase do “papel aguenta tudo”.

Sonhando alto

O ex-prefeito Salitre e, ainda, suplente de deputado estadual Agenor Ribeiro (PSDC), parece estar sonhando bem alto para o novo governo Camilo Santana. Atualmente no comando do Centro de Convenções do Cariri, Agenor anda cogitando uma vaga no primeiro escalão do Governo. Nada de Secretaria, aliados dizem que Agenor se contenta como adjunto. A Secretaria pretendida seria o Desenvolvimento Agrário. A reivindicação teria base no fato de Agenor ter aberto mão da sua candidatura a estadual e o excelente resultado nas urnas. Seus candidatos tiveram mais de 50% dos votos do município. Seu trunfo é Fernando Santana que teve mais de 52%, cerca de 4.800 votos. Seu candidato a federal, Zé Airton, teve ainda mais: algo em torno de 5 mil votos. Agenor quer se fortalecer para a disputa de 2020, já que seu município tem grande potencial rural. O plano é bom.

A força da casa

O deputado estadual eleito, Guilherme Landim (PDT), é um caso a ser lembrado nesta eleição. De todos os candidatos a uma vaga na Assembleia Legislativa, Guilherme foi o mais votado em sua base eleitoral. Brejo Santo, onde foi prefeito por dois mandatos, Guilherme teve mais de 75% dos votos. É o maior percentual em todo o estado. Foram mais de 19 mil votos, num universo de 33 mil eleitores. O legado que vem do pai, o falecido deputado estadual Wellington Landim, parece estar mais forte do que nunca. Nem Wellington conseguiu tal façanha. Os excelentes números de Brejo Santo, somados a mais sete municípios do Cariri, onde liderou a disputa, levaram Guilherme a ser citado para a disputa da Mesa Diretora da Assembleia. Se depender da habilidade política de Guilherme, o povo de Brejo Santo pode sonhar alto.

De volta a realidade

Depois dos excelentes resultados obtidos nas urnas, quem está de volta a dura realidade política é o prefeito de Altaneira, Dariomar Rodrigues (PT). No dia 19, a Comissão Processante da Câmara de Vereadores voltou a se reunir para ouvir testemunhas no processo que investiga delitos político-administrativos por parte da sua gestão. O resultado da investigação pode levar à cassação do mandato de Dariomar. Foram ouvidos três servidores e dois secretários. Nada além de normalidades técnicas e burocrática foram mencionadas nos depoimentos. Mas, a situação do prefeito é preocupante pela sua fragilidade política na Câmara. A comissão que investigativa é composta por dois vereadores de oposição e uma de situação. Para piorar, o prefeito está rompido com o ex-prefeito Delvamberto Soares, cujo grupo comanda grande parte dos vereadores da Casa. É para se preocupar!

Depois da ressaca

Sumido desde o resultado das eleições do dia 7, o ex-prefeito de Caririaçu João Marcos (MDB), apareceu. Demonstrou estar recuperado da ressaca com o resultado eleitoral. Para rebater a avaliação de resultado negativo, João fez questão de explicar que seu grupo defendeu várias candidaturas o que pulverizou os votos. Em entrevista à uma rádio local, no dia 15, João agradeceu a votação a esses muitos candidatos, principalmente, Fernando Santana e Pedro Bezerra e se desculpou pelo terceiro lugar de Eunício Oliveira no município. Disse que estava além de suas forças. Convenceu? Apesar de tudo, o ex-prefeito garantiu que seu grupo, conhecido como “pé rachado”, estará unido para 2020 e conclamou seus aliados: “vamos iniciar a discussão e fazer visitas em todo o município”. Nas palavras de João Marcos 2020 já começou, ou seja, recuperar o tempo que foi perdido.

Ressurgindo das cinzas

Enquanto a maioria dos municípios está satisfeito com o resultado do primeiro turno da eleição para usar como base para 2020, em Jardim a situação é diferente. O ex-prefeito Fernando Luz está organizando uma série de eventos em defesa do candidato a presidente do PSL, Jair Bolsonaro. Depois de quase quatro anos de aliança com os petistas da cidade, Fernando resolveu romper e não vai votar em Fernando Haddad. Na noite do domingo, 21, Fernando organizou uma grande carreata para mostrar que ainda está vivo politicamente. Impressionou aos mais céticos e acendeu uma luz amarela na gestão do prefeito Aniziário Costa, que apoia Haddad. As críticas ao líder petista local, Júnior Coutinho, já começam aparecer. Ele levou o partido ao rompimento com a base de esquerda e agora foi traído pelo maior líder da direita. Vai ficar isolado!

Enquanto isso…

… Quem saiu bem pequeno da disputa neste ano em Salitre foi o vereador Silvio Pinto (PDT). Sonhando ser prefeito em 2020, o vereador terá que trabalhar muito para garantir sua reeleição na Câmara. Seu principal candidato, o milionário Totonho Lopes, conhecido como Totonho Sheik, teve apenas 354 votos (3,8%). Um desastre!

… Silvio, que é aliado do grupo político de Agenor Ribeiro, que faz parte o prefeito Rondilson Ribeiro, agora terá que caminhar sozinho. Parte do grupo não o quer por perto. Além da articulação para trair o grupo, Silvio está desgastado na cidade depois da notícia de uma condenação no TJ do Ceará, por estelionato em Campos Sales no mês de maio.

… O prefeito de Milagres, Lielson Landim (PDT), parece estar conseguindo reverter a imagem administrativa ruim dos primeiros anos de governo. Usando as redes sociais de whatsapp e facebook, tem disseminado suas ações em anúncios bem explicativos. A tática parece ter substituído a propaganda tradicional. Fica mais barato.

… Pensando na reeleição e prevendo dificuldades administrativas, principalmente, com a falta de novos investimentos e recursos para honrar a folha de pagamento, Lielson já está na luta. Compareceu a todas as agendas propostas pelo governador Camilo Santana. Sem nenhum prestigio em Brasília, em caso de vitória de Bolsonaro, Lielson aposta tudo no Estado.

A base de Camilo vai estar só em 2020

Os resultados eleitorais nos municípios caririenses começam a fazer os efeitos desejado para prefeitos e opositores. Alguns são desalentadores e outros animadores. O problema é que, na maioria dos casos, os nomes defendidos nesta eleição fazem parte da mesma base; estão unidos ao Governo de Camilo Santana (PT). O esfacelamento da oposição no estado motivou o avanço dos candidatos governistas deixando o cenário para 2020 totalmente indefinido, com relação a apoio do Governo. A diferença será feita apenas com os candidatos do PSDB. O resultado é que o governador Camilo não comparecerá, nem declarará apoio na maioria dos municípios caririenses. Independentemente do resultado desta eleição, os candidatos a prefeitos em 2020 terão que se virar com os nomes que defenderam neste ano e com suas próprias articulações para a disputa. Camilo vai estar longe.

Sem perder tempo

O ex-prefeito de Missão Velha, Tardiny Pinheiro (PT), surpreendeu a todos ao apontar a possível candidatura a prefeito do seu irmão, o também ex-prefeito Gidalberto Pinheiro (PDT). O pré-lançamento aconteceu durante entrevista no dia 09, logo após a eleição do primeiro turno quando os dois avaliavam o desempenho dos candidatos apoiados pelo grupo. Apesar da disputa anda estar distante, Tardiny disse estar convencido de que Gidalberto é a maior liderança do município e, portanto, o melhor candidato do grupo. Sobre a divisão do grupo na eleição, Tardiny garantiu ser apenas diretrizes partidárias, mas que eles permanecem unidos. Já o desempenho foi avaliado como positivo dadas as circunstâncias. O lançamento parece ser um recado a chamada terceira via, hoje, com o vice-prefeito Dr. Lorin. Será que ele entendeu?

Consenso a vista

Depois de sucessivos tensionamentos no PT de Mauriti, o resultado das eleições parece ter unido de vez o partido para a disputa de 2020. As duas principais lideranças da sigla no município, os ex-prefeitos Isaac Júnior e Evanildo Simão, já teriam sentado para discutir e chegar ao consenso interno. Apesar de não confirmarem a conversa, os líderes não negam que a ideia e chegar a escolha sem a necessidade de prévias. Entre os militantes petistas, a chapa ideal já está formada. Teria Isaac Júnior na cabeça e Evanildo Simão como vice. A construção da chapa passa pelo crivo de lideranças como Fernando Santana e José Guimarães, que já teriam acenado positivamente. Depois de governar o município por 12 anos, o PT perdeu para o pedetista Mano Morais, sob a liderança do deputado eleito Guilherme Landim. Para resgatar o Poder, o PT joga tudo na união.

Futuro indefinido

A política de Assaré pede uma renovação. Pelo menos é o que se escuta na cidade. O desgaste dos atuais líderes políticos ficaram aparente nesta eleição. Apesar do prefeito Evanderto Almeida ter dado maioria de votos aos seus candidatos, o resultado ficou bem distante do esperado. Evanderto foi eleito com mais de 60% dos votos em 2016. Neste ano, Anderson Palácio foi o mais votado com 3.739 votos ou 31%, e Domingos Neto ficou com 3.229, cerca de 27%. Mesmo com o fracasso de Evanderto, os nomes da oposição como os ex-prefeitos Oliveira e Samuel Freire, também, decepcionaram. O candidato de Samuel para deputado federal, Genecias Noronha, tirou apenas 640 votos; já Oliveira conseguiu apenas 1.566 votos para Pedro Bezerra. Um esforço de toda a oposição conseguiu apenas 1.912 votos para Fernando Santana na disputa estadual. Tá difícil para todos.

Isolado no poder

O prefeito de Santana do Cariri, Pedro Henrique (MDB), apesar de novo na política já sente os efeitos do abandono político; da solidão do poder. Eleito neste ano, depois da queda da prefeita Danieli Machado, o prefeito perdeu suas duas maiores lideranças, o empresário Rafael Branco e o senador Eunício Oliveira, ambos do MDB, seu partido. Eunício passou de presidente do Congresso a candidato derrotado e Rafael não conseguiu chegar a Assembleia Legislativa. E pior, os dois estão decepcionados com as sucessivas mancadas do prefeito. Poderes nas mãos do pai, Pedro de Gerson, atrasos de fornecedores e denúncias de nepotismo, são apontados como motivação para o fraco desempenho nas urnas. Eunício teve 17% dos votos e Rafael apenas 14%. Pedro Henrique já está sendo aconselhado a procurar um novo berço político. A pergunta é: alguém quer?

Perto do fim

Quem, também, deve sofrer com o isolamento político nos próximos dois anos é o prefeito de Lavras da Mangabeira, Ildsser Oliveira (MDB). Sobrinho do senador Eunício Oliveira, o prefeito foi eleito na sombra do Poder emanado de Brasília. Apesar da reeleição do outro sobrinho de Eunício para a Assembleia Legislativa, o deputado Daniel Oliveira, a situação de Ildsser não é nada animadora. Sem a influência de Eunício em Brasília e a atuação sem expressão de Daniel em Fortaleza, o prefeito penará para terminar a segunda metade do mandato, com as portas do estado e da União fechadas. Com as dificuldades, a tendência é que 2020 traga uma renovação política para Lavras. Nas ruas, o assunto já é debatido e, vale salientar, não é lembrado o nome do ex-prefeito Dr. Tavinho. É o fim de uma hegemonia ou apenas o seu ressurgimento? Só o tempo dirá!

Enquanto isso…

… Em Altaneira, o grupo político ligado ao ex-prefeito Delvamberto Soares (PDT) está preocupado com o futuro. Delvamberto levou uma verdadeira surra nas urnas neste ano. Seu candidato a estadual, Guilherme Landim, ficou com 607 e seu federal, Genecias Noronha teve apenas 406 votos. O resultado está muito abaixo do esperado.

… Inevitável, a comparação do desempenho ganha ares de desespero quando é comparada a votação dos candidatos do prefeito Dariomar Rodrigues (PT), com quem Delvamberto rompeu politicamente. Para estadual, Fernando Santana teve 1.761 votos e Guimarães obteve 1.720. O resultado está fazendo o grupo antecipar as articulações para 2020.

… De volta a realidade administrativa, parte dos prefeitos do Cariri estão com mais uma preocupação. Eles terão que devolver aos cofres públicos o dinheiro pago aos advogados que acompanharam os processos sobre os precatórios do antigo Fundef. O repasse a assessorias jurídicas foi considerado ilegal pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) no dia 11.

… Os ministros da Primeira Turma do STJ, decidiram por 7 a 1, que os recursos devem ser aplicados, na sua totalidade, no desenvolvimento da educação dos municípios. No Cariri, foram muitos os municípios que já receberam o dinheiro, mas a maioria não anunciou se pagou os advogados, ou de onde sairá o dinheiro para repor os cofres públicos.

Santana do Cariri, uma Prefeitura para os amigos

Apesar do exemplo de combate à corrupção que derrubou a prefeita Danieli Machado, a troca de prefeito parece não ter mudado muita coisa em Santana do Cariri. A situação de descaso ao erário público continua a mesma. Nepotismo, favorecimentos, descaso com a saúde e educação continuam sendo denunciados. O prefeito Pedro Henrique (MDB) tem privilegiado os parentes, amigos e aliados. São mais de R$ 200 mil na folha da Prefeitura, apenas com pagamento de cargos de indicação pessoal do prefeito. Sem dinheiro ou política fiscal para aumentar a arrecadação, a Prefeitura atrasa pagamentos de fornecedores e a gestão segue rumo ao caos administrativo. Na zona rural, a população tem que pagar até R$ 200 por uma carrada de água, enquanto o prefeito lava a rua da sua casa com água dos carros pipa, paga pelo Governo Federal.

Caos administrativo

Bem obediente ao pai, Pedro de Gerson, o prefeito de Santana do Cariri, Pedro Henrique, está sendo apelidado de ‘marido traído’, por ser o último a saber do que acontece em sua gestão. O problema é que a crise de autoridade administrativa tem causados estragos profundos. Nas escolas, crianças estão faltando às aulas por falta de transporte público. Uma das poucas rotas que têm transporte é feita por uma Kombi que chega a transportar 26 crianças em trajetos de até 20 km. Na saúde, os PSFs estão sem formulários timbrados; pacientes estão sem receitas, solicitações de exames e remédios. Apesar do tratamento dispensado a população, o prefeito de fato, Pedro de Gerson, fez uma reunião com os contratados e comissionados: quer votos para seus candidatos. Tudo endossado por uma Câmara que parece estar muda.

Desafiando a antecessora

A prefeita interina de Jati, Francisca Ferreira (PSD), conhecida como Mundinha, parece entrar em uma nova fase do embate político com a prefeita afastada Neta Diniz (PSD). Depois de resistir às pressões administrativas para manter a equipe de Neta no comando do município, agora Mundinha quer mostrar que está fazendo o que Neta não fez. Mundinha e seus novos secretários têm andado pelas comunidades para entregar obras como novas ruas, esgotamento sanitário, abastecimento de água, fardamento escolar e garantia de merenda nas escolas. Para a antiga aliada, Mundinha já mandou um recado: vai fazer uma nova gestão para o povo esquecer Neta. Desmoralizada por não voltar ao poder, Neta começa a ser abandonada por aliados que já procuram Mundinha para se solidarizar. Parece que as estão realmente mudando em Jati.

Enquanto isso…

EM ARARIPE, a divisão nas bases de situação e oposição tem deixado a eleição cada vez mais indefinida para este ano e para 2020. Cercado por meia dúzia de candidatos o prefeito Giovane Guedes corre um sério risco de não ter o mais votado. Para piorar, Giovane vê seus adversários avançarem em redutos que antes lhes eram fieis.

Mas, não é somente Giovane que tem problemas com sua base. Na última semana, a ex-candidato a prefeita Dra. Naiala sentiu a força dessa divisão. Apoiando Domingos Neto para federal e Patrícia Aguiar para estadual, Naiala foi surpreendida por uma multidão articulada por vereadores da sua base que votam em Fernando Santana. E pior no mesmo evento.

EM CARIRIAÇU, a preparação é para os últimos dias da campanha. E o embate entre o ex-prefeito João Marcos (MDB) e o atual Edmilson Leite (PDT), entra na sua fase mais crítica. Disposto a mostrar força na disputa com os seus candidatos Guilherme Landim, Guimarães e André Figueiredo, Edmilson lotou a praça padre Augusto no dia 28 de setembro.

Dias antes, o ex-prefeito João Marcos montava, junto com seus candidatos Pedro Bezerra e Fernando Santana, a estratégia para os últimos dias da campanha em Caririaçu. João Marcos acredita que, dando maioria de votos a Fernando e Pedro, terá uma disputa justa sem a interferência do estado. Ainda com a base dividida, Edmilson terá trabalho para vencer.

No Cariri, pesquisas internas animam campanhas

A poucos dias de 7 de outubro, dia da eleição, os candidatos caririenses intensificam agendas na reta final da campanha. Como parâmetro para saber o resultado do trabalho, os candidatos recorrem a pesquisas internas e/ou pegam carona em sondagens patrocinadas por aliados como candidatos ao Governo. Em uma das últimas pesquisas motivou a confiança de nomes Guilherme Landim (PDT) e o petista Fernando Santana. Os dois aparecem bem colocados em sondagem com abrangência estadual.

Destaques no Cariri

Mais localizado, quando a abrangência e o Cariri, nomes como Rafael Branco (MDB), Anderson Palácio (PPS), Gledson Bezerra (PMN), Davi de Raimundão (MDB), Gabriel Santana (PCdoB) e Dr. Leitão Moura (PPS), também aparecem com destaque. Para uma região que conseguiu eleger apenas um deputado em 2014, que por sinal virou prefeito, até que o Cariri está bem servido nestas eleições.

Sorrindo à toa

Na corrida para deputado federal, o radialista e candidato a deputado federal Normando Sóracles (PSD), também tem motivos de sobra para sorrir. Mais votado em Juazeiro do Norte, maior cidade do Cariri, em 2014, hoje lidera em pelo menos três municípios da região, além de figurar em segundo lugar em outros quatro. Não é por acaso que Normando tem repetido sistematicamente: sou o federal do Cariri. Conhecedor das pesquisas internas, comemora a possibilidade de chegar a Câmara Federal.

Mais sorrisos

Outro com motivos para sorrir é o jovem empresário Pedro Bezerra (PTB). Filho do bem articulado Arnon Bezerra, prefeito de Juazeiro, Pedro aparece bem colocado em pesquisa estadual. O Cariri parece disposto a retomar os tempos áureos quando chegou a ter cinco deputado estaduais e três federais. Que venha o dia 7 de outubro.

A fase dos apócrifos e fake news

A região do Cariri se prepara para a fase final da campanha eleitoral deste ano. Além do derrame de dinheiro esperado para esta fase, destinado a compra de votos, Ministério Público, Justiça Eleitoral e Polícia Federal devem ter outras preocupações. Geralmente é nesta fase que começam a surgir os famosos panfletos ‘apócrifos’, que somados as fake news, disseminadas principalmente nas redes sociais, causam estragos em campanhas e na vida pessoal de candidatos. Nos últimos anos, em média, três panfletos foram distribuídos em vésperas de eleições. Já com as fake news, o universo é vasto e sem limite de postagens. Ameaçados, alguns candidatos caririenses já se preparam para informar possíveis violações à Justiça. No Estado, as apreensões já começaram. O candidato à reeleição a deputado federal, Danilo Forte, foi a primeira vítima, em São Gonçalo.

Cadê o dinheiro

O município de Jati parece condenado a um mar de polêmicas. Desta vez, a população quer saber onde foi parar o dinheiro arrecadado com o ISS (Imposto Sobre Serviços) das obras da Transposição do Rio São Francisco. Entre os anos de 2013 e 2018, entraram nos cofres da Prefeitura R$ 21 milhões, média de R$ 4,2 milhões ao ano. A população reclama de não ter visto a aplicação dos recursos na cidade. Na Câmara, a cobrança é pela não cobrança da prestação de contas dos recursos. Apesar de não confirmar, a gestão da prefeita interina Mundinha ameaça entregar denúncia ao Tribunal de Contas do Estado e Ministério Público. A gestão era da prefeita afastada Neta Diniz. A crise tende a aumentar!

Manda quem pode

Com dificuldades para convencer aliados a votar nos seus candidatos, o prefeito de Campos Sales, Moésio Loiola (PDT), fez o que se esperava: chamou os agregados e deu o ultimato. A reunião, anunciada como festa, aconteceu na casa do prefeito e reuniu, além de amigos e correligionários, contratados e comissionados da Prefeitura. Impressionou pelos números, mas foram poucas as presenças de lideranças sem ligação com a gestão. Ficou a impressão do “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Moésio anunciou apoio às candidaturas de Zezinho Albuquerque para estadual e Moses Rodrigues para federal. A dificuldade é que os dois não são da região. Zezinho e Moses não compareceram à festa.

Recado direto

Quem também teve a ideia de reunir comissionados e contratados da Prefeitura foi o prefeito de Iguatu, Ednaldo Lavor (PDT). A diferença foi a clareza do recado. Enquanto Moésio preferiu as meias palavras, Ednaldo foi direto: quem não estiver com ele, “jogando no mesmo time”, será substituído. Durante o encontro com os subordinados, Ednaldo disse que tem centenas querendo cada um dos lugares. A pressão causou revolta e o vazamento do áudio da reunião nas redes sociais. Ednaldo vota em Marcos Sobreira para estadual e Totonho Lopes para federal. A oposição promete levar o caso à Justiça Eleitoral, sob acusação de compra de votos, abuso de poder e uso da máquina pública. Vai dar o que falar!

Seis por meia dúzia

A população de Santana do Cariri parece ter perdido a paciência com o prefeito Pedro Henrique (MDB). Ele tem sido cobrado por estar sumido da cidade e por não mandar na gestão. Toda vez que é procurado para resolver problemas político-administrativos, ele recorre ao seu pai, Pedro de Gerson. Entre suas poucas interferências na gestão, autorizou a lavagem da sua rua, com água de um carro pipa. O desmando já incomoda aliados, como o ex-prefeito Jesus Garcia, que ameaça romper. Na cidade, a avaliação é que a troca entre Pedro e Danieli foi “seis por meia dúzia”. O cenário acaba fortalecendo o candidato derrotado na eleição suplementar, o ex-presidente da Câmara, Vicente Brilhante. Que venha 2020!

O articulador do Sheik

Entre os suspeitos de compra de votos no Ceará, o candidato a deputado federal Totonho Lopes (PDT), conhecido Totonho Sheik, está atuando a todo vapor no Cariri. Vigiado de perto pela Justiça Eleitoral, ele tem ajuda. Um dos seus principais articuladores na região é o vereador de Salitre, Sílvio Pinto (PDT). Desde maio, Silvio articula encontros com lideranças, que resultaram em acordos pouco republicanos. Os instrumentos para os contatos foram supostos eventos para discutir desenvolvimento. O preço da articulação estaria ligado à eleição de 2020, quando Sílvio pretende ser candidato a prefeito de Salitre. Resta saber se ele avisou ao grupo do ex-prefeito e suplente de deputado Agenor Ribeiro.

Sessão desabafo

A sessão da Câmara de Altaneira, do dia 19 último, foi diferente. Causaram surpresa as ponderações depois de muitos enfrentamentos entre oposição e situação. Debates como precatórios dos professores e o afastamento do prefeito Dariomar Rodrigues (PT) deram lugar a análises do atual cenário político. Professor Adeilton (PSD), líder da oposição, despejou sua decepção com a política e relatou prejuízos materiais e sofrimento familiar. Disse estar entristecido por não enxergar mudança, a começar pela Câmara. Apesar do desabafo, Adeilton disse que as palavras não foram de despedida. O presidente da Casa, Antônio Leite, reforçou as palavras, lamentando a postura de colegas. Trouxe de volta o clima pesado!

Enquanto isso…

… O prefeito de Farias Brito, Zé Maria (PCdoB), parece disposto a marcar a eleição deste ano com uma votação expressiva aos seus candidatos. No sábado (22), ao lado do amigo e padrinho político Vandevelder Francelino, ex-prefeito do Município, Zé Maria articulou uma grande caminhada pelas principais ruas da cidade.

… Zé Maria reforçou o apoio aos candidatos a federal, Chico Lopes (PCdoB), e estadual, Fernando Santana (PT), que estavam ao lado das lideranças locais. O detalhe curioso é que o grupo do prefeito pede votos apenas para os candidatos proporcionais, a reeleição do governador Camilo Santana e o senador Cid Gomes.

… Em Jardim, o prefeito Aniziário Costa (PCdoB) teve os papeis invertidos. Ao invés de elogiar, foi elogiado pelo seu candidato a deputado estadual Fernando Santana (PT). Em evento de campanha, no dia 20, Fernando destacou a luta de Aniziário para recuperar as finanças do Município. Segundo Fernando, o prefeito vive no Abolição em busca de recursos.

… A oposição de Penaforte apresentou seus candidatos a estadual e federal. Os nomes defendidos pelo candidato a prefeito derrotado, Rafael Ferreira, e o ex-prefeito Val Gama são Agenor Neto (MDB) para estadual e Eduardo Bismarck (PDT) para federal. A carreata, realizada no dia 15, está sendo denunciada por distribuição de combustível.

TRE de olho na fraude

O pouco tempo de campanha está motivando o surgimento de uma série de fraudes. Informações do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), dão conta de centenas de denúncias sobre invasão de espaços por candidatos majoritários na propaganda de Rádio e TV dos candidatos a deputados, gravações externas, direito de resposta e outras. Somente na primeira semana de campanha o Juizado Auxiliar do TRE recebeu mais de 150 representações sobre o cometimento das fraudes. Entre as denúncias analisadas pelos juízes José Vidal Silva e Daniela Lima da Rocha, que resultaram em processos, cinco foram arquivados, três estão tramitados em julgado e um tem recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O que poucos candidatos sabem é que a esperteza pode resultar em penalidades que vão desde multas até a retirada da propaganda.

Sem prestígio

O candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, parece enfrentar uma crise no seu prestígio fora dos ‘muros’ do Crajubar. Na sua agenda de campanha organizada para o último fim de semana em Juazeiro do Norte e Crato, foram percebidas poucas lideranças de municípios vizinhos. A cobrança acontece pelo auto índice de apoios ao seu grupo político, que abrange o Governo do Estado e, também, por conta do grande número de prefeitos do seu partido na região. A agenda ficou restrita as lideranças locais e se transformou em um verdadeiro pesadelo pela pouca presença. O presidente regional do PDT, deputado federal André Figueiredo, está sendo pressionado a explicar a ausência dos prefeitos do PDT que não vieram prestigiar o evento. André terá trabalho, já que, nem a sua candidatura tem recebido o prestigio desejado.

Dissidentes petistas

Apesar da união entre os ex-prefeitos Isaac Júnior e Evanildo Simão, o PT de Mauriti enfrenta várias dissidências que podem comprometer o sucesso eleitoral do partido neste ano. Pequenos grupos estão fora do arco de aliança montado por Júnior e Evanildo e apoiam candidatos até de fora do partido. É o caso do grupo liderando pelos ex-vereadores Missô, Antônio Oseas, Anchieta Sá e José Lourenço, que declararam apoio ao candidato dos cartórios, Denis Bezerra (PSB), para a Câmara Federal. Entre os atuais vereadores a divisão também é um problema. O grupo defende as candidaturas de José Guimarães, José Airton Cirilo e Antônio Balman. Os ex-prefeitos só conseguiram união em torno da candidatura de Fernando Santana, que concorre uma vaga na Assembleia Legislativa. Há quem diga que a dissidência é uma prévia do que acontecerá nas eleições municipais.

Denúncia de ameaça

A base política da prefeita interina de Jati, Francisca Ferreira, conhecida como Mundinha, está preocupada com o futuro da gestão e, até, com a integridade física da gestora. Servidores do município denunciam ameaças da prefeita afastada, Maria de Jesus, a Neta. Apesar de ter sido afastada por 180 dias pela justiça, a pedido da Procap, Neta garante voltar antes do prazo e ameaça: vai fazer justiça contra os traidores. Neta estaria intimidando servidores para boicotarem a atual gestão. As duas, eleitas na mesma chapa em 2016, romperam quando Mundinha se negou a obedecer ordens de Neta ao assumir a Prefeitura. Pedidos de liminares de Neta para voltar ao cargo foram negados pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) e Superior Tribunal de Justiça (STJ). O afastamento de Neta pode ser renovado por mais 180 dias.

Bem articulado

A apresentação dos candidatos apoiados pelo prefeito de Mauriti, Mano Morais (PDT), tinha tudo para ser mais uma festa de campanha, a começar pela grande presença de aliados. Mas, uma frase do prefeito acabou mudando esse rumo. Mano enalteceu a boa relação de Guilherme Landim (PDT), seu candidato a estadual, com o poder político. O prefeito definiu Guilherme como um homem de muita influência e relacionou várias articulações de Guilherme, sem ter mandato. “Imagina a moral desse homem quando chegar à Assembleia Legislativa,” disse, bem empolgado o prefeito. À Guilherme, restou agradecer o reconhecimento de que aumenta ainda mais sua responsabilidade. Com bem menos ênfase, Mano apresentou Adail Carneiro (Podemos) para federal. Ele é a indicação do vice-prefeito, Victor Martins. Teria espaço para ciúmes?

Ampliando o debate

Um fato curioso tem acontecido nessa campanha. Com o pouco tempo de campanha e os muitos municípios a percorrer, os candidatos a deputados têm encontrado uma solução interessante. Eles tem utilizado as esposas para fazer o debate, quando não estão. Um dos que mais tem se utilizado das estratégia é o candidato Fernando Santana (PT). No último fim de semana, enquanto Fernando percorreu municípios como Campos Sales, Salitre, Juazeiro do Norte, Crato, Choró, Quixadá… Sua esposa Onelliany Santana estava em Assaré, Altaneira e Tarrafas fazendo o debate no luar de Fernando. Lideranças como o ex-candidato a prefeito de Assaré, Jocélio Leite, e os prefeitos de Tarrafas e Altaneira, Taiano e Dariomar, organizaram as agendas. Outros candidatos já preparam suas esposas para fazer o mesmo papel. Se vai virar moda, ainda é cedo para avaliar, mas os encontros têm colocado as mulheres no centro do debate.

Enquanto isso…

… A eleição em Missão Velha deve trazer grandes surpresas. Um dos grupos mais fortes politicamente está dividido entre quatro nomes. De um lado o ex-prefeito Tardiny Pinheiro (PT) está apoiando Fernando Santana (estadual) e José Guimarães (federal); do outro o seu irmão, o ex-prefeito Gidalberto Pinheiro está com Anderson Palácio e André Figueiredo.

… Apesar da separação eleitoral, Tardiny e Gidalberto, garantem estarem unidos na estratégia. As candidaturas foram pensadas em conjunto. No último dia 5, Gidalberto apresentou uma série de apoios a Anderson e André. Os vereadores Rafinha, Cícero Cagece, Rodrigues Pinheiro e Zé Rolim estão entre os apoios. A expectativa com o resultado é grande.

… Em Altaneira, o prefeito Dariomar Rodrigues (PT), resolveu ir às ruas para defender suas candidaturas. Dariomar reuniu lideranças da sua base política para um adesivaço e uma caminhada pelas principais ruas da cidade. O prefeito apresentou os nomes de Fernando Santana para estadual e José Guimarães para federal.

… Além de Fernando e Guimarães, o prefeito Dariomar defende os nomes do governador Camilo Santana, Cid Gomes e Eunício Oliveira ao Senado, além de Lula à Presidência. O detalhe é que a esposa de Fernando representou o marido nos eventos, mas garantiu que ele visitará o município em breve. Dariomar movimentou um grande número de pessoas.

André Figueiredo com dificuldades em Juazeiro do Norte

O deputado federal André Figueiredo parece em dificuldades com o PDT de Juazeiro do Norte. Se prendeu tanto a defender a tese de Ciro Gomes, contra a aliança do governador Camilo Santana e o senador Eunício Oliveira, que esqueceu da própria reeleição. Em Juazeiro, onde o PDT tem a maior bancada de vereadores, com quatro parlamentares, André ainda não tem nenhum voto. É pior, nem não pediu apoio a nenhum dos correligionários. Os vereadores juazeirenses alertam: quando ele (André) acordar poderá ser tarde.

EM BRASÍLIA. André tentou receber os correligionários que foram à Marcha dos Vereadores promovendo um jantar, mas se decepcionou. Menos da metade compareceu. O problema é se a situação estiver sendo repetida em outros municípios, André pode depender do socorro do Abolição. Será que virá?

RAIMUNDÃO ENSINANDO O CAMINHO DAS PEDRAS

O ex-prefeito de Juazeiro do Norte, Raimundo Macedo (MDP), está definitivamente de volta as articulações. Na última semana surpreendeu em Brasília, durante a Marcha dos Vereadores, ao prestigiar os parlamentares caririenses. Foi muito bem recebido por todos. Apesar da recepção animadora, a presença de Raimundão em Brasília teve outro objetivo. Ao lado do sobrinho, o prefeito de Aurora, Júnior Macedo (PR), Raimundão manteve contatos com o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (MDB). Raimundão articulou obras para Aurora e de quebra ensina o caminho das pedras ao sobrinho prefeito.

TENSÃO PRÉ-ELEITORAL EM SANTANA DO CARIRI

Os bastidores pré-eleitoral de Santana do Cariri foram bem movimentados. Na oposição, o nome de Samuel Garcia, neto do ex-prefeito Jesus Garcia, foi cogitado mas prevaleceu o bom discurso de Pedro Henrique, indicado pelo senador Eunício Oliveira e o empresário Rafael Branco. Do outro lado a situação foi mais tensa.

PAU MANDADO. Depois da prefeita cassada Danieli Machado anunciar que continuaria na Prefeitura independentemente de estar sentada na cadeira, foi difícil encontrar quem quisesse ser lembrado como pau mandado. Foi preciso a intervenção do deputado federal André Figueiredo e Fernando Santana para convencer o ex-vereador Vicente Brilhante. E ele aceitou com uma condição: quer Danieli fora.

TUDO RACHADO. Na campanha de Santana do Cariri, difícil é saber quem está do lado de quem. Na chapa de situação, PT e PDT estão rachados. No PDT, a vereadora Luciene, apoiada por Vicente Brilhante em 2016 vota em Pedro Henrique. Não sobe no palanque com Danieli. Outros dois vereadores do PDT, entre eles Arclebio Dias, presidente da Câmara, estão com Pedro Henrique.

PT FORA. O detalhe é que o PT está fora da chapa e já tem dissidências. A divisão no PDT foi articulado pelos empresários Cicero Macedo e Cristina Linard que aderiram a Pedro Henrique. Cícero é sobrinho de Raimundo Macedo, ex-prefeito de Juazeiro do Norte, que esteve na convenção. Na situação a surpresa é o próprio Vicente, que foi autor da maioria das denúncias que derrubaram Danieli.

CÉU DE BRIGADEIRO EM ANTONINA

O ex-prefeito de Antonina do Norte, Antônio Filho (PDT), parece se consolidar de vez como liderança política no município. Enquanto várias gestões do Cariri batem cabeça entre prefeitos eleitos e padrinhos políticos, como ex-prefeitos, em Antonina o clima é de união entre os aliados. O prefeito Evandro Arrais (SD) e Antônio Filho estão fechados com os mesmos pré-candidatos: André Figueiredo federal e Fernando Santana estadual. A decisão veio após análise de pesquisa de opinião que mostrou a maioria da população querendo votar nos candidatos do ex-prefeito.

PRESSÃO. Apesar da pressão do deputado federal Genecias Noronha sobre o prefeito Evandro, prevaleceu a dupla indicada por Antônio Filho. A gestão política de Antonina vive um clima de céu de brigadeiro.

Publicidade