sete dias sem medo da notícia
Após o assassinato do prefeito de Granjeiro, o vice toma posse e não comenta o crime
"Fomos pegos de surpresa", resumiu Ticiano Tomé sobre a morte de seu inimigo político
Ticiano Tomé (ao centro), tomou posse na tarde de sexta-feira numa solenidade esvaziada e atrasada na Câmara Municipal de Granjeiro
Por : Fernando Ribeiro
28/12/19 9:26

Apenas três dias após o assassinato do prefeito do Município de Granjeiro (a 478Km de Fortaleza), João Gregório neto, 54 anos, o vice-prefeito, Ticiano Tomé, assumiu o cargo em uma solenidade na Câmara Municipal na tarde desta sexta-feira (27). O ato foi esvaziado, com poucas pessoas presente e com um atraso de mais de uma hora. No discurso, o novo prefeito pediu a ajuda da população. “Este é um momento difícil, um momento de luto”, afirmou.

“Assumo o cargo com tranquilidade, com os pés do chão, como muita fé em Deus e pedindo aos munícipes, aos vereadores e à população em geral que me ajudem”.  Ticiano havia rompido com o prefeito assassinado. Os dois se tornaram inimigos e Ticiano denunciou fraudes na licitação de verbas federais para a compra de cadernos para os alunos da rede do ensino municipal.

A denúncia do vice-prefeito levou a Polícia Federal a realizar, ainda em 2018, a “Operação Bricolagem”, no qual o prefeito João Gregório, conhecido por “João do Povo”, se tornou alvo da investigação. No cumprimento de uma ordem judicial (mandado) de busca e apreensão na casa do prefeito, os agentes federais encontraram a quantia de R$ 213 mil em espécie, guardados em caixas de sapatos. Na época, as autoridades avaliaram em cerca de R$ 26 milhões o desvio de dinheiro público.

Com o rompimento da aliança política entre o prefeito e o vice, os dois passaram a trocar  farpas e acusações em público. O assassinato de João Gregório Neto, de acordo com as autoridades, pode ter um viés político. “Fomos pegos de surpresa”, disparou o vice ao assumir o cargo, sem mais comentar sobre o assassinato do ex-aliado que virou oponente.

Na última quinta-feira (26), dois dias após o crime, cinco secretários municipais entregaram os cargos para não ter que fazer parte da equipe do novo prefeito.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
LEIA TAMBÉM