sete dias sem medo da notícia
Agentes da Segurança fazem protesto na Assembleia contra proposta salarial do governo
Policiais e bombeiros militares ocupam a Avenida Desembargador Moreira na porta da AL
Policiais da Capital, Região Metropolitana e do interior participam do protesto
Por : Fernando Ribeiro
06/02/20 11:23

Cerca de três mil pessoas, entre agentes da Segurança Pública e familiares, ocupam parte da Avenida Desembargador Moreira e as dependências da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, no bairro Dionísio Torres, nesta Capital, desde o começo da manhã desta quinta-feira (6). A movimentação é um ato de protesto  contra a proposta de reajuste salarial anunciada pelo governo para policiais civis e militares, bombeiros militares, peritos criminais e auxiliares.

A manifestação está sendo organizada pelas associações de policiais e bombeiros e conta com a presença de dezenas de agentes que vieram de várias regiões do interior, como Juazeiro, Crato, Barbalha, Canindé, Jaguaribe e outros municípios cearenses.

À paisana e usando, a maioria, camisetas brancas, portando faixas e cartazes, os militares  fazem o segundo protesto, neste ano, na Assembleia. Eles querem do governo uma nova proposta salarial que, verdadeiramente, corrija a defasagem salarial da tropa, que não tem aumento há quatro anos.

Na última sexta-feira (31), o  governo  anunciou oficialmente e encaminhou para a Assembleia Legislativa um conjunto de leis que batizou de “Pacote de Valorização dos Servidores da Segurança Pública”, onde está previsto um reajuste de salários parcelado em quatro vezes, que deverá ser concluído em dezembro de 2022.

Oficiais aderiram

A proposta foi rejeitada pela categoria, especialmente a formada pelas praças (soldados, cabos, sargentos e subtenentes) da PM e do Corpo de Bombeiros. Contudo, nesta quinta-feira, a Associação dos Oficiais Militares do Estado do Ceará também aderiu ao movimento e publico uma nota oficial repudiando o teor do “pacote”.

O governo, porém reafirma que o reajuste vai beneficiar todos os servidores e que ao final do parcelamento, um soldado da PM e dos Bombeiros receberá um soldo acima de R$ 4 mil, ultrapassando a “Média do Nordeste”.

Confira vídeo

Veja fotos

Esposas dos militares também foram às ruas protestar contra os baixos salários
A entrada da Assembleia ficou lotada de manifestantes
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
LEIA TAMBÉM