Sete dias por semana sem medo da notícia!
Agente penitenciário é condenado por facilitar entrada de celulares na cadeia
O servidor e duas mulheres foram condenados, cada um, a 3 anos de cadeia e multa
O agente foi preso em 2018 durante uma operação do Ministério Público no Sistema Penitenciário
Ouça a matéria

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), através do Núcleo de Investigação Criminal (NUINC), alcançou a condenação de três réus, Fabrício Santos Pereira, Wladiane Freitas da Silva e Tássia Lima de Oliveira, pelos crimes de corrupção ativa e passiva. Os três foram denunciados pelo MP por atuarem em esquema criminoso para facilitar a entrada de aparelhos celulares e acessórios em unidades penitenciárias.

Segundo a denúncia, Fabrício Santos, utilizou-se da função pública de agente penitenciário para cometer os crimes, enquanto que Wladiane Freitas e Tássia Lima ofereciam pagamento pelo “serviço”.

Condenação

A decisão foi proferida pelo Juízo da 4ª Vara Criminal na última quarta-feira (22), com a decretação de três anos de reclusão e pagamento de multa para os três condenados, que foram convertidos em penas alternativas de restrição de direitos, com limitação de finais de semana e prestação de serviços em favor de entidade pública. Fabrício foi condenado, ainda, à perda da função pública de agente penitenciário.

A “Operação Correria” deflagrada em maio de 2018, com o apoio da Delegacia de Assuntos Internos (DAI), cumpriu mandados de busca, apreensão e prisão preventiva dos réus e é decorrente da Operação Masmorras Abertas,  que teve início no ano de 2017.

Publicidade
Mais Lidas
Leia Também